terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Falta de patriotismo

                             
            Às vezes, aqui neste espaço, faço minhas críticas de forma veemente às mazelas que ainda existem em nosso País, mas que jamais perdi a esperançam e a utopia de um Brasil melhor.
            Sou daquele, como se diz, “Sonhar pequeno e sonhar grande dá o mesmo trabalho”. Então, neste ano novo, vamos renovar o desejo de sonhar grande. O Brasil não é apenas feito de políticos corruptos, mas é feito de algo muito maior e bonito.
            Ora, não ouse criticar o País com os pés cravados em solo pátrio. Quem fala mal de uma terra abençoada como a brasileira não merece pisá-la. Ainda há tempo para mudar, e quem sabe até pedir desculpas.
            Olha só! Não falta quem jure de pés juntos que isso é conversa pra boi dormir. Parece papo antigo, mas não é. É uma idiotice quem fala isso tem espírito pequeno. Pois o patriota é aquele que ama seu país e procura servi-lo da melhor forma possível.
            Como diz meu velho amigo Cordeiro, com sua verve afiada e pontiaguda, “Nós sempre fomos meio vira-lata na questão do sentimento patriótico”. Muitos estão a serviços de seus interesses que passam bem longe da verdade noção de patriotismo.
            Levantamos as mãos pra o céu e agradecemos a Deus por ter criado o Brasil com a melhor fauna e flora de sua invenção e poupo-o de vulcões, terremotos e furacões. Vamos acabar com o faz-de-conta. Precisamos difundir o amor à pátria. A nação está acima das diferenças ideológicas, econômicas ou sociais.
            Vamos continuar apostando na construção de um grande país e não de quem só quer atrapalhar o seu progresso, pela pequenez, pela indignidade e pela canalhice. Se ensinássemos o patriotismo à população, não haveria tantos corruptos e vândalos entre nós.
            Quem não gosta do Brasil, que se dane! Pode parecer caretice, mas na verdade é uma manifestação de orgulho de ser brasileiro.


                                                       LINCOLN CARTAXO DE LIRA

                                                        lincoln.consultoria@hotmail.com

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Urgência na Reforma Previdenciária

             O debate escuso (contrário) à reforma da Previdenciária tem cheiro de filme queimado. Não sem razão. Regimes de aposentaria concebidos no século 20 não dão mais conta da nova realidade demográfica. A alta das expectativas de vida e o declínio das taxas de fertilidade, ambos dramáticos, implicam uma escalada das despesas que, cedo ou tarde, será insustentável.
            Nossa Previdência tem um déficit hoje de 180 bilhões. Sem a reforma, serão mais R$ 45 bilhões no ano que vem e outro R$ 50 bilhões no ano seguinte. Quando chegar 2020, poderá haver cortes de remunerações. Somos um país jovem e desigual que gasta com previdência 13% do PIB, mais do que o Japão, que têm três vezes mais idosos.
            Sejamos honestos: alguns políticos tratam como batalha aquilo que deveriam tratar como solução. Para eles, apoiar tal reforma agora é perder votos e comprometer a reeleição! Pode haver intenção mais canalha do que essa ao preparar-se claramente para mentir, ou omitir, sem escrúpulo algum? Retrato daquilo que Ruy Barbosa classificava de “política com pê minúsculo”. Daí a frustração da sociedade.
            Não podemos desdenhar o diagnóstico certeiro feito pelos especialistas no assunto ao dizer, com a reforma da Previdência perde a elite bem remunerada dos servidores públicos com a redução de privilégios concedidos a grupos que estão entre os 5% ou mesmo entre o 1% mais rico da população.
            Logo, o único jeito de atacar a dívida pública para valer é corrigir as distorções da Previdência Social. Não há escapatória: o Brasil precisa enfrentar o problema; quanto mais cedo e mais transparente, melhor para as contas públicas e para a nossa democracia. Chega de mais desilusão, desencanto e revolta. Vamos encarar os fatos agora!
            Muitas lutas nos esperam pela frente. E a reforma da Previdência é a nossa grande prioridade.

                                                  LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                                   lincoln.consultoria@hotmail.com
                                                                        Advogado e mestre em Administração

               

             

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

A falta de tempo

            Ao aproximar-se o final do ano, nada mais justo, principalmente para quem continua na labuta como eu, verificar se estamos trabalhando demais e vivendo “de menos”. De montanha-russa, basta a vida.
            Tal percepção ocorre em toda sociedade, mas talvez ainda mais entre gestores, empreendedores e outras pessoas em posição de liderança. Eles são tão direcionados para a eficiência e a produtividade que acabam esquecendo a qualidade de vida.
            Não por acaso que uma pesquisa feita algum tempo atrás por uma consultoria chamada DMRH constatou que 62% dos executivos brasileiros estão insatisfeitos com as suas rotinas. Se tivessem liberdade para redesenhar seu cotidiano, 7% desses profissionais diminuiriam o tempo dedicado ao trabalho, 80% aumentariam o tempo dedicado à família e 76% dedicariam mais tempo a atividade física e cuidados com a saúde.
            A principal questão aqui talvez seja: por que quase oito em cada dez profissionais brasileiros desejariam trabalhar menos do que trabalham hoje? Ou, dito de outra maneira, por que todo mundo está tão ocupado? A hipótese principal é a financeira.
            Ninguém há de negar que todos nós somos meteorologistas emocionais no que diz respeito às nossas vidas pessoais e profissionais, preocupados com o que está por vir. Esquecendo que a liberdade financeira não significa deixar de trabalhar, e sim ter um emprego que seja prazeroso, colegas queridos e um ambiente de trabalho agradável.
            Até uma geração atrás, o típico “workaholic” se orgulhava de seu estilo de vida. Agora, esse perfil profissional deixou de ser vendável e se tornou um problema. E, como se não bastasse, se sente culpado.
            Você, leitor, Feliz Ano Novo! Não olhe muito para trás nem olhe muito para frente, viva o presente.


                                                LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                                 lincoln.consultoria@hotmail.com

                                                                     Advogado e mestre em Administração 

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Apoio aos pequenos negócios

             Ainda bem que o plenário do Senado aprovou na semana passada (13/12) projeto de lei que cria um novo programa de parcelamento de débitos tributários para micro e pequenas empresas (MPEs), conhecidos como Refins. A matéria encontra-se para sanção presidencial.
            Tal iniciativa chegou em boa hora, pois os números assustam: cerca de 560 mil delas foram notificadas pela Receita Federal e podem ser excluídas do regime Simples, um dos maiores programas de justiça fiscal e inclusão social do mundo.
            Não sou ingênuo a ponto de pedir aos políticos que pensem apenas no Brasil e deixem de lado seus interesses eleitorais. Cujo comportamento torna-se comprovadamente inverossímil diante dos fatos. Mas escrevo este artigo para chamar atenção dos atuais parlamentares para o papel que representa MPEs.
            Sabemos que, em razão da capilaridade dos seus negócios, faz com que esse segmento tenha capacidade de absorver a mão de obra mais facilmente, inclusive aqueles trabalhadores que o mercado embaraça a recolocação: como as pessoas com idade avançada, sem experiência, os recém-formados.
            Mas li, não faz muito, que a taxa de sobrevivência das MPEs optantes do Simples é o dobro das demais. Caso acabasse, 67% das milhares de empresas optantes fechariam as portas, o que seria um desastre econômico e social sem precedentes.
            Anotem aí: ao longo desse ano, com exceção de março, diante dessa crise brutal, o segmento apresentou número de contratações superior ao de demissões. Enquanto as empresas de micro e pequeno porte acumulam saldo positivo de 463 mil novos empregos, as médias e grandes fecharam ao todo 178,8 mil postos.
            Levo ao pé da letra a máxima de que “Quando tudo parecer estar contra você, lembre-se que o avião decola contra o vento, não com a ajuda dele” (Henry Ford). Motivação típica do empresário (MPEs) audaz e empreendedor.

                                       
                                          LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                           lincoln.consultoria@hotmail.com
                                             Advogado e mestre em Administração

                

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Bigodão é a solução

            Deu na semana passada em “Folha”: o empresário Levy Fidélis, 65, lançou mais uma vez a sua candidatura à Presidência da República pelo PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro). Oportunidade em que apresentava seu novo jingle de campanha: “Bigodão é a solução”. Santa paciência! Um deboche a inteligência do povo brasileiro.
            Esse cara é maluco com tal ladainha de candidato, com sua visão irônica de se mesmo. Às vezes, tentando entender um pouco as coisas, eu me pergunto o que leva alguém buscar esse tipo de comportamento: muito quadradinho, muito mediocrezinho, cheio de mentirinha para enrolar o eleitor.
            Mesmo sem ter sido eleito para nenhum cargo público, ele não desanima com a cláusula de barreira e tampouco com seu discurso populista intragável. “Teremos votos suficientes. Aqueles que querem fazer um país sério que sejam competentes”, diz.
            Fidélis é o tipo de político que deveria ser varrido da cena política nas eleições. Não pensa no Brasil, e sim, em seus interesses pessoais, como muitos. Estamos precisando de candidato que raciocine com a cabeça e não com o fígado. Que venha com o propósito de ajudar o Brasil a equilibrar as contas, acelerar a retomada da economia, criar mais empregos e melhorar a vida dos trabalhadores e de suas famílias.
            Seu pecado original é pretender (e não consegue) ser como o jogador de pôquer, que blefa e não treme, que blefa rindo, e cujos olhos indecifráveis intimidam o adversário. E joga tudo. E vence. No blefe.
            No Brasil atual, não é mais aceitável esse tipo de político que busca insistentemente holofotes midiáticos com vista a interesses particulares, em vez de primar e defender a nação e seus cidadãos. Fragilidade que pode tornar o País vulnerável aos sobressaltos da campanha eleitoral.
            Com todo respeito, a pretensão do candidato Fidélis é pura hipocrisia.

                                         
                                                    LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                                     lincoln.consultoria@hotmail.com

                                                                Advogado e mestre em Administração

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Época que deixou saudade

            Na semana passada tive que me deslocar até a prefeitura de Santa Rita, a fim de regularizar uma pendência tributária. Em razão do avanço da hora, acabei almoçando por lá mesmo, num modesto restaurante (self service) localizado em frente à Praça Getúlio Vargas.
            Sobre esse lugar, as lembranças foram mais que inevitáveis. No início da década de 70, de vez enquando fugia, juntamente com um grupo de amigos, para os bailes promovidos pelo famoso Tenis Clube (o mais chique e elegante da cidade). Era uma espécie de extensão festiva ou noitada da nossa morada em João Pessoa.
            A animação ficava por conta do conjunto musical local chamado “Os Brincalhões”. Composto por jovens talentosos que se esmeravam tocando ainda os grandes sucessos da Jovem Guarda. O nosso figurino era praticamente um uniforme para os jovens de então: calça Jeans Lee, camisa Hering e sapatos Top.
            Antes de entrar na “la balada”, tínhamos que dar o esquento, ou seja, molhar as palavras pelos bares da cidade. Pontuados por música e longos bate papos. Havia sempre comida e bebida, apesar da escassez financeira.
            O certo é que não faltava conversa fiada, festa e Rum Montilla (dosado com coca-cola e gelo) preferidíssimo daquela geração, que se tornou um clássico atemporal. Mais do que prazerosa, tal bebida era um catalisador de euforia, um importante componente (de coragem) para dançar com as meninas que já nos aguardavam com notável euforia. Detalhe: todas elas bem arrumadas, ao gosto da época.
            A segurança era um quesito que não nos preocupava. Podíamos ficar perambulando pela cidade sem nenhum temor. Todos esbanjando um clima de harmonia, de felicidade e de muita boemia. Os santarritenses passavam um sentimento puro, suave, delicioso de convivência.
            Foi uma época que, para quem viveu, deixou muita saudade.

                                          
                                        LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                         lincoln.consultoria@hotmail.com

                                                          Advogado e mestre em Administração

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Degradação da política

            Aqui, meu vizinho das quintas-feiras, Roberto Cavalcante, já abordou o tema com muito mais propriedade do que eu seria capaz, onde se constata que 50% do eleitorado rejeitam as duas candidaturas salvacionistas (Lula e Bolsonaro). É como se metade dos cidadãos estivesse pedindo uma alternativa moderada, limpa e reformista.
            Ademais, gostaria de ter a capacidade de externar toda a angústia que sinto com os rumos incertos do nosso querido Brasil, em que políticos legislam em causa própria, constam com a conivência do Judiciário e a omissão de um povo passivo.
            Assim não dá. Não dá mesmo! Nós, brasileiros, que somos reféns de um círculo com as práticas de corrupção, continuamos ameaçados por candidatos impunes, e agora também por “novatos” que não sabemos suas reais intenções e a que se propõem.
            Lamentável o caso de Aécio - um dos grandes protagonistas na última disputa eleitoral para presidente -, desafia o bom senso. Pouco se lixando às críticas: “Vá tomar no verbo”, como diria o baiano Tom Zé. Seu comportamento culminou com o esfacelamento do PSDB. É incrível que, mesmo depois de divulgado o teor da conversa de Aécio com Joesley Batista, o senador tenha sido mantido não apenas nos quadro do partido como na presidência da legenda (ainda que licenciado).
            O ensaio da candidatura de Luciano Huck emerge em razão da degradação da política. Sem desmerecê-lo em suas boas convicções, mas precisamos de um líder inteligente e ousado, ficha limpa, que tenha capacidade da articulação para impulsionar as reformas que tanto o Brasil precisa. A exemplo do presidente da França, Emmanuel Macron, que escolheu dizer a verdade, oferecendo um receituário de margas mudanças na legislação trabalhista e no sistema previdenciário.
            A conclusão, inexorável, é que o brasileiro é um bicho esquisito na escolha de seus representantes políticos. Infelizmente, há algo de paradoxal aí. Mas essa já é outra história.


                                                     LINCOLN CARTAXO DE LIRA
                                                      lincoln.consultoria@hotmail.com
                                                       Advogado e mestre em Administração